Notícias do Vice-Consulado
10 de Junho


10 de Junho

Mensagem da Vice-cônsul de Portugal em Belém na Cerimónia do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades

Belém, Pará, 14 de junho de 2019

Celebramos neste dia o 10 de junho, o dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas. Este dia é um dos dias em que os portugueses e as comunidades portuguesas estão mais perto de Portugal, porque celebramos o nosso país, o país que fomos, o país que somos e essencialmente o país que queremos ser.

O país que fomos, com a nossa história de gigantes, gente que não teve medo em procurar novas e melhores vidas para si e para as suas famílias em Portugal e noutros países que os acolheram e que eles tornaram também como seus.

O País que somos. Um país que encanta todos os que o visitam, pela beleza, pelo acolhimento, pela gastronomia, pela segurança e por tantas outras coisas. É escolhido por muitos como destino de férias, outros para aí viverem e outros também para investirem.

Um país moderno, um país democrático e bem integrado na comunidade internacional, desempenhando um papel relevante na União Europeia. Um país solidário, com os seus e com os que sofrem fora das suas fronteiras.

Um país de emigrantes e que por isso tem obrigação de receber bem também todos os que imigram para dentro das suas fronteiras.

Um país de gente de carácter e trabalhadora, com qualidades pessoais e profissionais à altura do melhor a nível mundial.

Mas um país com muito caminho para andar para ser o país que todos os portugueses merecem e sonham, para ser o país que queremos ser.

Este país que queremos ser e que pode e tem que ser construído por todos nós, através do exercício dos direitos que nos são atribuídos enquanto cidadãos. 

Sim, são-nos atribuídos direitos e um dos mais importantes, o direito a eleger os nossos representantes, o direito ao voto.

Um direito com o qual escolhemos o futuro do país, escolhemos o futuro das nossas comunidades no estrangeiro, mostramos a força destas comunidades e o seu interesse na condução do destino do nosso país.

Um direito que nos permite dizer que estamos aqui e que temos força para lutar por um país melhor, que temos voz e que ninguém fala por nós.

Um direito pelo qual muitos lutaram, muitos sofreram e muitos morreram.

Um direito que nem todos os homens e em particular as mulheres têm ainda assegurados em muitos países do mundo. Em particular para as mulheres, devemos relembrar todos, mulheres e homens, que fizeram com que hoje possamos, nós mulheres, também ter direito a escolher o nosso futuro, a ter voz e a ter um voto que conta.

Temos assim todos a grande responsabilidade de construir esse país que queremos para nós e para os que virão depois de nós.

Celebramos também o dia de Camões, até hoje o nosso maior poeta, e com ele celebramos a língua portuguesa.

Já tive oportunidade de comemorar este dia na Europa, em África, na Africa onde se fala português, e sempre me emocionei com o facto de a língua portuguesa chegar tão longe e de ser falada por povos irmãos. Mas hoje aqui faz ainda mais sentido celebrarmos a língua portuguesa, que é a língua de mais de 210 milhões de brasileiros que engradecem e espalham também pelo mundo esta língua de Camões.

Tive várias situações na minha vida em que me dei conta deste feito, mas relembro sempre o que me aconteceu na Palestina, em 2005, onde estava a trabalhar em Ramallah. Quando me desloquei a uma pequena vila para observar uma mesa de voto, como sempre o faço, apresentei-me como portuguesa. Em pouco tempo, formou-se uma fila e para espanto meu não era para votar, mas para falar comigo. Eram brasileiros palestinianos que queriam falar português comigo, convidavam-me para tomar chá e para somente falar em português. Neste dia dei-me conta que, como os portugueses, também os brasileiros levavam a língua portuguesa pelo mundo e a engradeciam. 

Aqui hoje, celebramos também o dia das Comunidades Portuguesas. Celebramos a Comunidade Portuguesa do Pará, e se me permitem por obrigação e também já por devoção, celebramos as Comunidades Portuguesas dos seis estados do norte do Brasil sobre os quais o Vice-Consulado de Portugal, que represento aqui hoje, tem jurisdição. Celebramos assim as Comunidades Portuguesas do Pará, do Acre, do Amapá, do Amazonas, da Roraima e do Maranhão.

Celebramos as gerações de mulheres e homens que nos antecederam e abriram caminho para os que vieram. Celebramos as gerações que aqui nasceram e dividem os seus corações entre o seu país Portugal e o seu país Brasil.

Celebramos as gerações do presente que têm responsabilidade no futuro destas Comunidades e celebramos as gerações do futuro, dando-lhes o exemplo para que nunca deixem morrer a sua voz aqui e nem em Portugal.

Celebramos assim, todos os portugueses que saíram do seu país, os que tiveram sorte porque a vida correu bem e os que com menos sorte também não deixaram de lutar por aquilo que consideravam ser melhor para si e para os seus.

Celebramos as comunidades de mulheres e homens portugueses que souberam criar Associações, centenárias algumas e outras mais recentes, para servir os seus e os brasileiros que com eles conviviam. Celebramos os que hoje continuam o trabalho de manter essas Associações vivas, sempre pensando no bem comum.

Celebramos as comunidades Portuguesas pelo mundo que contribuem para um Portugal e um mundo melhor

Permito-me usar esta oportunidade para agradecer à comunidade Portuguesa, da qual já me sinto parte, pelo acolhimento que tive, pelo carinho com que me recebem sempre e pelo orgulho que me fazem sentir em ser portuguesa aqui neste grande país.

Agradecer ao Conselho das Comunidades Luso Brasileira, que reúne todas as Associações portuguesas do Pará, pela organização deste evento, à Tuna Luso brasileira por nos acolher aqui hoje e a todos os que tornaram possível esta cerimónia.

Agradecer também aos meus colegas do corpo consular o acolhimento que tive.

Aos brasileiros gostaria de agradecer-lhes a forma como me recebem e mostram que somos dois países irmãos e fazem com que o meu coração já se sinta do Pará e com espaço para os outros cinco estados que espero também vir a conhecer melhor.

Muito obrigada a todos e bom dia de Portugal, de Camões e das Comunidades.